sábado, 23 de maio de 2015

Sebastião elogia cunhado de Gladson que retirou assinatura da CPI



20150523104633
No encontro do PT, Sebastião Viana elogia deputado da oposição que retirou assinatura da CPI
A CPI da BR-364, tema que tomou conta dos debates na Assembleia Legislativa nos últimos dias, norteou parte dos discursos do governador Sebastião Viana e do prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre Viana, durante o Encontro Estadual do Partido dos Trabalhadores, no Teatro Plácido de Castro, na manhã deste sábado.
Último a falar no encontro, o governador disse que a CPI, proposta pelo tucano Luiz Gonzaga, é a cara do retrocesso que tenta impor a oposição. O petista elogiou, sem citar nome, o deputado Nicolau Junior, do PP, que retirou a assinatura do pedido de instauração da CPI, o que impediu seu prosseguimento na Aleac.
Viana disse que a CPI é desnecessária porque diversos órgãos de controle fazem auditoria e fiscalizam a aplicação de recursos federais na obra, que nos governos da FPA consumiu mais de R$ 1,5 bilhão.
“Um deputado da oposição retirou a assinatura porque entendeu que a CPI seria um retrocesso. Um deputado do Juruá, que retirou a assinatura da CPI porque viu que prejudicaria as comunidades do Juruá. O que queremos debater com a oposição é a mortalidade infantil, a educação, saúde, cultura, a ética. Isso sim é um debate para uma oposição que respeitamos”, disse o governador, para acrescentar que vários trechos da rodovia começam a ser recuperados a partir da próxima semana pelo Ministério dos Transportes.
11227883_413451538826946_6743046202129770673_n
Já o prefeito Marcus Marcus Viana, ex-diretor-presidente do Deracre, que é criticado pela oposição por causa das obras da rodovia, disse que “aqueles que estão lá na Ass: embleia querendo aprovar uma CPI, eles não se lembram que no passado levava quatro, cinco dias para chegar em Cruzeiro do Sul, e hoje chegamos em 10 horas.”
O evento do PT conta com a presença ainda de deputados federais e estudais, prefeitos filiados ao partido e o senador Jorge Viana.
Por: Luciano Tavares, da redação ac24horas