sexta-feira, 5 de junho de 2015

Seis índios são presos suspeitos de estuprar jovem de 16 anos no AC

Dos seis suspeitos, quatro são peruanos e dois brasileiros. Caso ocorreu em Santa Rosa do Purus, no interior do estado.

Indígenas foram presos nesta quinta-feira (4), em Santa Rosa do Purus (Foto: Aline Nascimento/G1)

Quatro índios adultos foram presos e dois menores de idade, de 14 e 16 anos, das etnias Kulina e Kaxinawá, foram apreendidos na manhã de quinta-feira (4) suspeitos de estuprar uma adolescente de 16 anos, na cidade de Santa Rosa do Purus, distante 300 km de Rio Branco. De acordo com a Polícia Civil, o crime ocorreu na noite da última quarta-feira (3) e a vítima também é indígena.

Ainda de acordo com a polícia, José Abrãao Kaxinawá, de 33 anos, é brasileiro e Roberto Monte Badu, de 29 anos, Davila Badu, de 24 anos, e Valdecir Montes Montes, 20 anos, são peruanos.
Segundo o titular da Delegacia Itinerante da Polícia Civil, Alcino Júnior, os suspeitos abordaram duas índias em uma das ruas da cidade, mas uma delas conseguiu fugir. Ainda segundo o delegado, os suspeitos taparam a boca da vítima, enquanto os demais arrastaram-na para um igarapé, onde consumaram o abuso.

"Eles se juntaram e levaram a vítima para dentro de um igarapé para praticar o ato. Pelo  menos três deles mantiveram relações sexuais com a jovem. Eles confessaram o crime e quem não manteve relação sexual, ajudou a segurar a vítima", explicou o delegado.

O delegado Nilton Boscaro, diretor de polícia da capital e do interior, contou que os suspeitos foram presos em flagrante na manhã de quinta-feira. Os suspeitos foram conduzidos, ainda na quinta, à capital acreana para fazerem exames papiloscópicos, pois alguns dos indígenas peruanos não portavam documentos de identificação.

"O delegado de Sena Madureira me ligou para que fosse feito o deslocamento deles. O secretário determinou que fôssemos buscar os suspeitos e chegamos lá no município ontem à tarde e conduzimos à capital. Aqui eles fizeram os exames necessários para que todos fossem identificados e devolvidos ao interior", afirmou Boscaro.

Boscaro informou ainda que a vítima foi submetida a exames em Santa Rosa para constatar o abuso. O delegado disse que todos os suspeitos devem ser julgados pela Justiça brasileira. "A prisão deles será comunicada à Embaixada Peruana e à Fundação Nacional do Índio (Funai) e aí serão tomadas as medidas cabíveis, provavelmente o Consulado Peruano deve contratar um advogado para fazer o acompanhamento deles aqui no Brasil", disse.

Os dois menores, segundo a polícia, foram conduzidos para o Instituto Socioeducativo do Purus, localizado em Sena Madureira, a 145 km da capital, e os demais suspeitos devem aguardar o julgamento no presídio da cidade.

Ao G1, José Abrãao Kaxinawá disse que não conhecia os demais suspeitos e que  não teve participação no crime. "Eu não conheço eles e só vi eles mexendo com a  menina. Mas, não participei", defendeu-se.