sexta-feira, 31 de julho de 2015

Navio que naufragou durante Ciclo da Borracha reaparece com seca de rio

Cidade de Tarauacá quer tombamento de navio naufragado. 
Navio pode ter afundado durante o 1º ciclo da borracha, que iniciou em 1870.

Navio só pode ser visto durante vazante do Rio Muru, em Tarauacá  (Foto: Silvia Ciacci)
Navio só pode ser visto durante vazante do Rio Muru, em Tarauacá (Foto: Silvia Ciacci)

Um tesouro histórico que surge sempre na época de vazante do Rio Muru, em Tarauacá, distante 400 quilômetros de Rio Branco, impressiona quem passa pela comunidade de Vitória Velha, às margens do rio. Com a baixa das águas, é possível ver um navio a vapor que naufragou ainda durante o Ciclo da Borracha, que ocorreu entre 1870 e 1912, quando o látex do Acre era exportado para outros países.
A professora Silvia Ciacci, de 52 anos, conseguiu flagrar parte do navio que já começa a ficar exposta com a seca do rio. "A história que sabemos é que aquilo ali foi naufragado no apogeu da borracha e quando o rio desce ele fica praticamente todo do lado de fora. Quando ele está completamente fora, tem gente que tira foto em cima dele. O interessante é que está praticamente intacto, só enferrujado pela ação do tempo", conta.
A viagem até o local onde a embarcação naufragou dura de 4 a 5 horas de voadeira. A professora sempre passa no local porque trabalha com a coordenação de educação e faz visitas à zona rural algumas vezes.
O historiador Liberio Souza, ex-chefe do Departamento Histórico do Acre, chegou a ir ao local do naufrágio por duas vezes, mas conta que nunca conseguiu ver o navio por completo.
"Quando fui, só dava para ver a caldeira, porque só aparece quando o rio está seco. No mesmo local, há ainda o único chalé que foi feito durante a exportação da borracha. Uma das histórias do naufrágio é que estavam fazendo o desembarque da mercadoria quando o barco afundou. Uns dizem que foi acidente, outros alegam que foi proposital", conta.   
O secretário de Cultura de Tarauacá, João Maciel, conta que muitas histórias surgem no município sobre a embarcação. Outra versão, segundo ele, é que estaria tendo uma festa no navio, quando começou um incêndio e a embarcação afundou.
"Como não há um estudo histórico sobre isso, é difícil precisar a data. Sabe-se que foi durante o Ciclo da Borracha no Acre, tanto que, bem perto, ainda existe o barracão usado naquela época para a preparação do látex. A gente está tentando se informar para saber como podemos solicitar o tombamento, tanto do barracão, como do navio. O que a gente sabe também é que é um navio a vapor", diz.
Pelo fato do navio ser a vapor, o historiador Marcos Vinícius Neves, esclarece que há uma possibilidade do naufrágio ter sido durante o primeiro Ciclo da Borracha, mas ressalta que é difícil fazer apontamentos históricos sem que haja uma pesquisa mais aprofundada no local.
"Provavelmente deve ter sido no primeiro ciclo, mas é preciso ter uma pesquisa, levantar os naufrágios que ocorreram no Rio Muru nessa época e aí com o nome do navio, poderíamos saber qual a época do acidente e o que aconteceu. Essas embarcações eram muito comuns nos rios do estado, que sempre tiveram muitos obstáculos", explica. 
Neves explica que naquela época, os navios eram parte crucial na exportação do látex. "Tanto no primeiro, como no segundo ciclo, o transporte de pessoas, mercadoria e borracha só era viável graças a essas navegações", salienta.  
No mesmo local que navio naufragou existe um barracão também usado durante o Ciclo da Borracha  (Foto: Liberio Souza/Arquivo pessoal )
No mesmo local que navio naufragou existe um barracão também usado durante o Ciclo da Borracha (Foto: Liberio Souza/Arquivo pessoal )
Ciclo da Borracha
O Ciclo da Borracha foi o apogeu da exportação de látex na Amazônia. Dividido em duas fases, o primeiro momento vai de 1870 a 1912. O historiador Marcos Vinícus das Neves destaca que o início dessa exploração no Acre ocorreu, especificamente, a partir de 1880. "Após a decadência da economia da borracha, essa exploração continuou ainda até os anos 70 do século 20, mesmo com o seu fim em 1912".
A segunda fase é motivada pela Segunda Guerra Mundial, quando o Japão atacou os Estados Unidos, que perderam o acesso ao cultivo de borracha no Sudoeste asiático bloqueado. "Foi quando os EUA fazem os acordos de Washington, e inicia o que a gente chama de Batalha da Borracha, que vai de 1942 a 1945, justamente o ciclo que durou três anos", finaliza.


Por: Tácita Muniz
Do G1 AC