quinta-feira, 30 de julho de 2015

“O novo PSDB vai focar na qualidade de seus quadros”, afirma Rocha

Apesar da saída de três prefeitos e alguns militantes dos quadros do PSDB, o presidente regional do partido, deputado federal Major Rocha (PSDB) disse que, ao contrário das especulações sobre no ato de desfiliação dos gestores municipais, o ninho tucano se fortalece em todo Acre. Rocha afirma que a quantidade não significa qualidade. “O novo PSDB vai focar na qualidade de seus quadros, dando vez e voz para pessoas que valorizem o partido”, enfatiza.

O dirigente voltou a questionar a fidelidade dos prefeitos que abandonaram o PSDB. “Como todo partido que quer se fortalecer, precisamos de pessoas leais e que defendam o maior partido de oposição ao PT, não de fisiologistas que usam o PSDB para atender seus próprios objetivos, pessoas que só conseguem enxergar seus próprios umbigos”, diz Major Rocha, ao enumerar os supostos atos de infidelidade dos prefeitos Rivelino Mora, André Hassem e James Gomes.
“O prefeito de Santa Rosa, Rivelino Mota, foi eleito pela oposição e com a ajuda do PSDB, depois que assumiu, virou petista e esqueceu os discursos da sua campanha. Abandonou os aliados e se juntou aos petistas que ele criticava, abraçando a candidatura do governador Sebastião Viana (PT), num ato de desprezo total aos eleitores que acreditaram nele como um candidato de oposição. Ele usou o PSDB apenas para se eleger”, ressalta Rocha.
“James Gomes – Depois de eleito pelo PSDB, em duas eleições seguidas apoiou candidatos de outros partidos (Solange Pascoal e Marileide Serafim, Jairo Carvalho e Marfisa Galvão). Quando foi cassado, lembro que paguei R$ 9 mil para o advogado que fez a defesa de James Gomes, que me jurou fidelidade absoluta. Sinceramente, eu pensava que o quase ex-prefeito de Senador Guiomard iria para o PSD, pelo visto ele aplicou mais uma rasteira e foi para o PP”.
“André Hassem – Depois de duas tentativas frustradas conseguiu se eleger pelo PSDB. No início do mandato esteve com os dois pés na Frente Popular, inclusive convidando outros prefeitos tucanos para abandonar o partido e declarar apoio ao governador Sebastião Viana. Seu pai e mentor politico mudou para um partido da FPA onde permanece filiado. O retorno de André para a base do PT só não se concretizou por conta da desconfiança dos cardeais petistas”.
Rocha não deixou de criticar a aliança que Hassem fez com Antônia Lúcia (PSC), nas últimas eleições. O tucano cogitou um possível rompimento com o PP. “André não apoiou ninguém do partido preferindo uma aliança com a missionária Antônia Lúcia, que foi traída com a sua ida para o PP. Diante do histórico dessa gente acho que quem perde é o PP que coloca em risco uma aliança com o PSDB por conta de quadros pouco confiáveis. Basta esperar para conferir”.
O PSDB terá candidatos para enfrentar os dissidentes
Rocha informa que o partido não deixará de bater chapa contra os prefeito dissidentes. “Em Santa Rosa, nosso pré-candidato é o Hélio, um empresário bem sucedido e que tem a confiança do partido; no Quinari, temos uma candidata, a professora Branca, que é reconhecida por ter caráter e postura, alguém que tem palavra e credibilidade; em Epitaciolândia, convidamos o delegado Sergio Lópes, que foi o candidato a deputado estadual mais bem votado de Epitaciolândia”.
O dirigente tucano destaca que o recesso parlamentar serviu costurar as novas candidaturas e filiar lideranças política interessadas em fortalecer o PSDB. “A saída dos prefeitos e o ingresso de novos quadros só reforça a tese de que não perdemos aquilo que não é nosso. O PSDB sai muito mais forte e com mais qualidade. Filiamos pessoas que estão interessadas em realmente trabalhar para o povo, não para projetos pessoais como acontecia antes”, finaliza Rocha.
Ray Melo, da editoria de política de ac24horas