sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Acre anuncia processo seletivo para substituir professores em greve

Após a decisão dos servidores da Educação de dar continuidade à greve, que já dura 50 dias, o governo do Acre anunciou, nesta sexta-feira (7), que vai abrir um processo seletivo emergencial para substituição dos professores provisórios que estão em greve e dos professores com contrato temporário. O edital deve ser publicado já na próxima semana.
Grevistas da Educação fazem nova assembleia nesta sexta-feira (7) (Foto: Aline Nascimento/G1)
Grevistas da Educação decidiram manter a greve nesta sexta-feira (7) (Foto: Aline Nascimento/G1
"Diante das circunstâncias temos que garantir o ano letivo. Temos um compromisso com os alunos e vamos fazer o possível pra cumprir esse compromisso", afirmou o secretário de Educação do Acre, Marco Brandão, que não soube informar quantos professores devem ser substituídos.
Ele disse ainda que o corte de salário dos servidores, que havia sido anunciado pelo governo, vai ser cumprido. "Não há blefe", salienta. No caso dos professores em estágio probatório, o governo vai fazer uma notificação nas fichas profissionais deles.

Brandão enfatiza que o governo ainda está aberto a negociações. "Nós nunca nos fechamos e nem vamos nos furtar a qualquer tipo de diálogo", finaliza.


G1 entrou em contato com a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac), Rosana Nascimento, porém ela disse que estava em reunião e não poderia atender. Até a publicação desta matéria não houve resposta.


A categoria, como um todo, reivindica 25% de reajuste salarial, pagamento do Programa de Valorização Profissional (VDP) e do piso nacional para os outros servidores de escola. Além disso, quer um aumento de 20% sobre o piso e realização de concurso público para cargos efetivos.

Os servidores da Educação ligados ao Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac) e o governo haviam reaberto o diálogo na última quarta-feira (5), quando a Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) passou a mediar o debate e  encaminhou algumas propostas da categoria para a equipe de negociação do governo, que respondeu com uma contraproposta.


Ao G1, em matéria publicada nesta sexta-feira (7), o secretário de Educação do Acre, Marco Brandão, disse que o governo propôs a criação de um grupo de trabalho para analisar o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) até setembro
.


Outras propostas incluíam o fortalecimento do comitê de gestão do Fundeb, antecipação do pagamento do Programa de Valorização Profissional (VDP) de 2015, que estava previsto para julho do próximo ano, e a realização de um estudo de viabilidade para implantação do piso dos servidores técnicos-administrativos que estão com nível médio, mas fizeram curso para servidor. Ainda segundo ele, o governo teria se comprometido a não realizar o corte de salário dos grevistas, caso a proposta fosse aceita.

Todavia, o secretário nega que esse seja um ato de retaliação aos grevistas. "É apenas uma resposta do governo ao Sinteac, que não aceitou a proposta e ainda revidou com ofensas", disse.

Entenda o caso


Desde o dia 17 de junho, professores e funcionários de escolas, vinculados ao Sinteac, decidiram entrar em greve no Acre. Os educadores ligados ao Sindicato dos Professores da Rede Pública de Ensino do Estado do Acre (SinproAcre) aderiram à paralisação no dia 19 do mesmo mês.
Fonte:G1 AC