quarta-feira, 5 de agosto de 2015

EXCLUSIVO: Desembargador cassa decisão de juíza e Hildebrando não será solto

20150805074847
Caminhonete que iria transportar Hildebrando deixa o presídio sem ele
O desembargador Roberto Barros, do Tribunal de Justiça do Acre (TJ/AC), deferiu o pedido liminar que solicitava do Judiciário que o ex-deputado federal Hildebrando Pascoal não fosse para o regime semiaberto e permanecesse preso. O pedido foi feito pelo Ministério Público Estadual (MPE).
A atitude do desembargador derruba a ordem da juíza da Vara de Execuções Penais, Luana Campos, que autorizava a liberação Hildebrando. Ela havia dado 24 horas para que o ex-coronel fosse liberado do presídio.
A advogada de Hildebrando, Fátima Pascoal, chegou a entrar no presídio, mas só permaneceu lá dentro por cerca de 20 minutos. Logo depois, ela saiu do complexo penitenciário sem falar com a imprensa. Antes disso, o ac24horas conversou com a defensora do ex-coronel, com exclusividade.
Questionada sobre a reação da família, frente à decisão de soltura, a advogada disse que ainda não teria “conversado com ele, mas a família recebeu bem a notícia, de forma normal, até porque já era esperado que isso ocorresse”, comentou a representante sem detalhar o estaria acontecendo nos bastidores do caso.
Em regime fechado desde o dia 22 de setembro de 1999, Hildebrando Pascoal conquistou ontem, 4 de agosto, o direto de cumprir pena no regime semiaberto. Ele é acusado de chefiar o “Esquadrão da Morte”, um grupo de extermínio que atuou no Acre na década de 1990 e ganhou repercussão internacional após o assassinato com requintes de crueldade, que ficou conhecido como “Crime da Motosserra”.
Mais informações qualquer momento.
Por João Renato Jácome, da redação ac24horas