quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Incêndio Florestal se alastra por mais de 11 mil m² em fazenda de Cruzeiro do Sul



Corpo de Bombeiros registra cerca de cinco incêndios diariamente no município. Número de casos preocupa autoridades no Vale do Juruá.

No inicio da noite de terça-feira (18) um incêndio se alastrou por mais de mais de 11 hectares de pasto de uma fazenda localizada as margens da Rodovia AC-405, em Cruzeiro do Sul (AC). O corpo de bombeiros levou mais de três horas para conter as chamas. De acordo com o comandante da corporação a causa do incêndio ainda não foram identificadas, sendo necessário o pedido de um perícia no local.

A área de terra atingida pelo incêndio fica localizada ao lado do Conjunto Habitacional Novo Miritizal, e a preocupação era que as chamas atingissem o local. Diariamente pelo menos cinco ocorrências de maior gravidade, estão sendo registradas pelo Centro Integrado de Operações de Segurança Publica, o CIOSP. A situação é preocupante e tem chamado a atenção das autoridades de segurança e entidades ambientais. Nos últimos dias o índice de queimadas urbanas e rurais em toda região do Vale do Juruá, vem se multiplicando.

O comandante do 4° Batalhão do Corpo de Bombeiros de Cruzeiro do Sul, Coronel Araújo, alertou a população sobre os riscos de atear fogo, em terrenos baldios ou até mesmo em roçados.

“A queimada empobrece o solo, danifica as nascentes que por ventura existam nesses locais, além dos pequenos animais em espécie que residem nesses lugares morrer e a recuperação é a longo prazo. As pessoas precisam se conscientizar que existem outras formas de limpeza de terrenos, e ainda existem outras formas acidentais de causar esses incêndios”

Segundo o coronel Araújo, os incêndios urbanos e florestais quase sempre começam pela ação dos moradores das regiões atingidas. Outra dificuldade enfrentada pelos bombeiros é quanto ao difícil acesso nas áreas onde acontecem focos de incêndios. O ar quente e seco também tem sido um problema.

“O acesso e o combate para esse tipo de ocorrência é sempre desgastante, pois não há muitas vezes acesso para viatura, e o trabalho se torna braçal, necessitando de uma grande quantidade de pessoas”, falou.

A incidência de queimadas propicia quase sempre o surgimento de doenças respiratórias, devido à inalação de fumaça. Até ano passado o corpo de bombeiros de Cruzeiro do Sul, contava com uma equipe da Brigada Preve Fogo, com a desativação do programa, as ações estão sendo combatidas, basicamente pelos militares.

“Neste ano nós não fomos contemplados com esse programa, e o corpo de bombeiros tem que arcar 100% com esse combate. Tem outras secretarias que fazem parceria, mas em relação ao combate, só os bombeiros”, falou.


Por Vanisia Nery