quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Poesia sobre Jordão, escrita há 41 anos por Hilarino Alves de Melo

Vila Jordão
Minha vilinha querida, minha adorada Jordão, és tudo na minha vida, prenda do meu coração. Como eu gosto de ti, mesmo assim como tu és, com a tua humilde igrejinha, e as casinhas de sapês.
Lembra-me uma menina, despida de vaidade, com um vestido de chita, e cheia de mocidade.

Coitadinha da pobrezinha, como vive abandonada, assim mesmo tão desprezada, ela nunca se queixa de nada. Pois um dia há de vir, em gesto como as outras da nação, tendo praças e Avenidas e grande movimentação.

24 de Outubro de 1974, Hilarino Alves de Melo (1902-1993)