sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Se eleita, Marilete Vitorino pode não assumir o mandato

A disputa eleitoral em Tarauacá, como sempre, está acirrada sendo impossível precisar quem será vitorioso na disputa para a prefeitura da cidade, mas caso a candidata Marilete Vitorino (PSD), candidata a prefeita daquela cidade pela coligação Avança Tarauacá, ganhe as eleições nesse domingo 02 de outubro, corre o risco de não assumir o mandato em virtude dos seus problemas com a justiça.

A candidata e também ex-prefeita do município, responde por improbidade administrativa, praticada em sua gestão como prefeita na 3° Vara da Justiça Federal do Estado do Acre. Ela é acusada pelo desvio de R$ 218 mil do Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação (FNDE), recurso de uma creche que deveria ter sido construída no bairro da praia que foi pago a empresa contratada cuja obra não foi realizada.

Marilete também responde pelo crime fraude em licitações públicas no valor de R$ 100 mil, ocorrida durante o seu mandato de prefeita. Na época, o juiz que atual no caso considerou haver sérios indícios de ato improbo na sua atuação. (Para saber mais sobre esse caso, acesse o link:http://migre.me/v6qOu).

Por fim a candidata ainda responde há um processo de compra de votos quando teria comprado votos de alunos de uma academia local pelo valor de R$ 8 mil, conforme devidamente documentado por esse jornal que já está sendo apurado pela justiça eleitoral cuja decisão pode sair a qualquer momento e que fatalmente poderá caçar sua candidatura. (Leia reportagem a respeito neste link: http://migre.me/v6siU)

Se tudo isso já não fosse o bastante, consta ainda contra o candidato a vice na chapa de Marilete, Chico Batista, um processo de estelionato praticado contra o trabalhador rural Francisco Gomes da Silva conhecido como “Seu Quico”. (Leia reportagem a respeito neste link:https://goo.gl/MMuZBh)

Os casos citados acima estão sendo analisados pela Justiça. Em caso de uma condenação, Marilete Vitorino e seu vice Chaga Batista, podem ter a candidatura caçada assim como seus direitos políticos pelos próximos oito anos.

Da Redação