domingo, 6 de novembro de 2016

TARAUACÁ: DESABAFO DA (VEINHA)

"Esses dias tem sido difíceis para mim e minha família, afinal foi tirada uma parte de nós, a dor é imensa, parece que não terá fim, se acostumar com a perca do Vando é algo pesado. Sabemos que a morte é a única certeza que temos na vida, porém, não nos acostumamos com a ideia e, principalmente que aconteça da forma como aconteceu. Uma família foi desfeita, o sofrimento é grande, principalmente da filha que adoeceu e foi hospitalizada e que chama pelo pai constantemente, a rotina de esperá-lo nos horários de sempre já não existem, imaginem o sofrimento de um ser que tinha o pai como um “super-herói” e que agora tem que se contentar com as lembranças de suas brincadeiras e aconchegos.

Além da perca, temos que conviver com outro tipo de sofrimento, que é a inversão dos fatos, Vando Medeiros, que embora tivesse seus defeitos como qualquer outro cidadão, era um excelente pai de família, profissional e amigo, contudo, não merece ser tratado por alguns da forma como está, tendo em vista que de vítima passou a ser agressor e, sua morte como um mal necessário.

Até o presente momento não recebemos visitas de qualquer membro dos direitos humanos, enquanto que o criminoso recebeu uma comissão especial, inclusive quando estive com minha filha internada no hospital eles foram lá visitar o cidadão e a minha filha nada.

Mais afinal que direitos humanos são esses? Que desprezam a família que teve um membro arrancado covardemente de seu meio, Que não olha para o sofrimento de sua filha. É bem provável que mesmo tendo sido morto brutalmente, ainda consigam apena-lo, afinal, essas são nossas Leis.

As lágrimas ainda caem, mais sou consciente que a vida tem que seguir o seu caminho e, que apesar de saber que nada poderá trazê-lo de volta, quero apenas que a justiça seja feita". (Veinha)

por Accioly Gomes