sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Deputado defende chapa com Marcus Alexandre e César para o governo, e Ney e Jorge Viana para o Senado


O primeiro-secretário da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputado Manoel Moraes (PSB), é mais uma liderança da Frente Popular a se posicionar sobre as eleições de 2018. O parlamentar defendeu o que considera ser a chapa perfeita para a disputa, apontando os nomes de Marcus Alexandre e César Messias para governador e vice, respectivamente, além de Jorge Viana e Ney Amorim para as duas vagas ao Senado.

O deputado afirmou que o momento é de unir os partidos aliados em torno desses nomes, pois eles formariam a chapa mais forte que a Frente Popular já montou para uma disputa majoritária.

Para Manoel Moraes, o prefeito Marcus Alexandre seria uma escolha natural pelo trabalho que desempenha na Prefeitura de Rio Branco e pela liderança que se tornou ao longo da última década.

Quanto às vagas ao Senado, o parlamentar destacou o papel que o senador Jorge Viana tem na história do Acre, tendo sido o melhor prefeito e governador que o estado já viu, além de ser um dos senadores mais destacados da atual legislatura.

Manoel enfatizou, ainda, que o Congresso Nacional precisa de políticos com experiência e competência. “Ano que vem teremos duas vagas ao Senado e a Frente Popular tem chances reais de eleger os dois nomes. O senador Jorge Viana merece ser reeleito por tudo que tem feito pelo Acre e o deputado Ney Amorim já demonstrou que está preparado e que é o melhor quadro que temos para também disputar uma vaga”, afirmou.

Perguntado sobre o fato dos dois nomes defendidos por ele serem do PT, o deputado afirmou que isso não é um impeditivo, principalmente se levado em consideração o peso das duas candidaturas.

“A eleição de 2018 será decisiva para o futuro do Acre, precisamos esquecer as vaidades e nos unirmos em prol do que é melhor. Se os dois melhores nomes para o Senado são Jorge Viana e Ney Amorim, o fato dos dois serem do PT não pode mudar isso”, finalizou Manoel Moraes.

Por: Redação Folha do Acre