quarta-feira, 1 de março de 2017

Cheia do Rio Tarauacá deixa 3 mil pessoas ilhadas, dizem Bombeiros


Manancial caiu de 10,20 metros para 9,75 metros nesta quarta-feira (1). Cerca de 3 mil pessoas estão atingidas pelas águas em Tarauacá.

O município de Tarauacá, no interior do Acre, vem enfrentando constantes enchentes nos últimos meses. De acordo com a Defesa Civil Municipal, desde o final de dezembro do ano passado, o rio, que leva o mesmo nome da cidade, já ultrapassou a cota de alerta, que é de 8,5 metros e de transbordo, 9,5 metros, por três vezes e segue oscilando. O manancial saiu de 10,20 metros, registrado na terça-feira (28), para 9,75 metros na medição das 10h desta quarta (1).

Dois bairros estão alagados, sendo os bairros da Praia e Triângulo, que ficam mais próximos das margens do rio. O coordenador da Defesa Civil no município, Jyensveferpher Jardim, afirmou que cerca de 500 famílias estão atingidas, o que representa em torno de 3 mil pessoas que estão ilhadas.

Em fevereiro, a prefeita da cidade, Marilete Vitorino (PSD-AC), decretou estado de emergência durante as enchentes dos rios Tarauacá e Muru.

Na enchente registrada em janeiro, a Defesa Civil anunciou que cerca de 16 mil moradores foram atingidos pelas enchentes dos rios na cidade

Jardim informou que a primeira vez que o manancial ultrapassou a cota de transbordamento nos últimos meses foi no dia 31 de dezembro de 2016, quando ele chegou 10,60 metros. A segunda vez foi no dia 24 de janeiro, quando o manancial marcou 10,10 metros e nesta terça-feira (1) foi a terceira vez, ao marcar 10,20 metros.

"O nível do rio voltou a apresentar vazante e, por enquanto, não temos nenhum morador desalojado e nem desabrigado. Estamos fazendo o trabalho de entrega de água e sacolões para as famílias que estão ilhadas, que são cerca de 500 famílias. Além disso, continuamos em alerta monitorando a situação do manancial", afirmou o coordenador.
Rio Juruá voltou a transbordar na manhã desta quarta-feira (1) (Foto: Anny Barbosa/G1)

Situação dos rios no Acre
Em Rio Branco, o Rio Acre teve uma vazante de 25 centímetros em relação à medição de terça-feira (28). Nesta quarta (1), o manancial que banha a capital acreana chegou a 12,50 metros e está a um metro da cota de alerta que é 13,50 metros. A cota de transbordo é 14 metros. Ainda segundo a Defesa Civil, em Rio Branco, foi registrado 0,8 milímetros de chuva nas últimas 24 horas.

Após um acumulado de chuva de nove milímetros, o Rio Iaco, em Sena Madureira, subiu 27 centímetros nesta quarta (1) em relação à medição do dia anterior, onde marcou 13,76 metros. De acordo com a Defesa Civil, o manancial está com 14,03 metros e já ultrapassa, a cota de alerta que é 14 metros. A cota de transbordamento é de 15,20 metros.

Um subida de quase 30 centímetros em 24 horas fez com que o Rio Juruá, em Cruzeiro do Sul, voltasse a ultrapassar a cota de transbordo, que é de 13 metros. O manancial marcou, na manhã desta quarta (1), 13,16 metros. Uma família foi retirada e levada para o Aluguel Social e mais três fizeram a solicitação, segundo o Copo de Bombeiros. A segunda maior cidade do Acre tem sofrido com a cheia do rio desde fevereiro, quando atingiu a marca histórica de 14,24 metros.

A Prefeitura informou que, ao todo, 14 famílias estão recebendo ajuda do Aluguel Social na cidade. Duas delas foram retiradas nessa nova subida e as outras permanecem recebendo o benefício desde fevereiro.

A situação do Rio Acre em Assis Brasil, Brasileia e Xapuri está normal e abaixo da cota de alerta, segundo a Defesa Civil. Na medição desta quarta (1), o manancial em Assis Brasil marcou 3,95 metros, em Brasileia chegou a 4,45 metros e em Xapuri marcou 7,68 metros.

Por Iryá Rodrigues. Do G1 AC