terça-feira, 14 de março de 2017

Escolas de tempo integral têm quase 500 vagas abertas em Rio Branco

Vagas estão abertas em seis escolas de ensino
integral (Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre)
Ainda há vagas em seis das sete escolas de ensino integral na capital.
Previsão é de que as aulas iniciem no dia 3 de abril.
A Secretaria de Estado de Educação e Esporte (SEE) informou que ainda há um total de 493 vagas nas escolas de tempo integral em Rio Branco.

Das sete escolas de ensino público que vão funcionar de forma integral, de acordo com a secretaria, apenas uma, a Escola José Ribamar Batista, fechou o quadro de alunos para o ano letivo de 2017. A previsão é de que as aulas iniciem no próximo dia 3 de abril.

As instituições, todas em Rio Branco, que terão ensino integral são: Escola Estadual José Ribamar Batista (Ejorb); Escola Jornalista Armando Nogueira; Escola Estadual Sebastião Pedrosa; Escola Estadual Boa União; Escola Humberto Soares da Costa; Instituto Estadual Lourenço Filho (IELF) e a Escola Glória Perez.

A Escola Armando Nogueira possui 22 vagas, sendo 18 para o 1º ano, duas para o 2º ano e outras duas para o 3º ano. Já a Escola Glória Peres tem 12 vagas para o 2º ano e a escola Boa União possui vagas para o 1º ano. A Escola Sebastião Pedroza ainda tem 17 vagas, sendo seis no 1º ano e 11 para o 3º no e a Escola Lourenço Filho tem 110 vagas, sendo 105 para o 2º ano e 15 para o 3º ano. A Escola Humberto Soares possui 292 vagas, sendo 180 para o 1º ano, 62 vagas para o 2º ano e 50 vagas para o 3º ano.
saiba mais

O secretário estadual de Educação, Marco Brandão, informou que as matrículas devem ser concluídas até o início das aulas e comentou sobre a baixa procura dos alunos em relação às escolas do ensino integral.

Por ser algo novo, segundo Brandão, as pessoas ainda têm receio de como deve funcionar. No entanto, ele acredita que o número de vagas abertas deve baixar nos próximos dias.

"É uma mudança de cultura, a gente está criando algo novo, as pessoas ainda não sabem exatamente como funciona, o que é e qual o impacto disso e leva um tempo até as pessoas se acostumarem. É natural que nesse primeiro momento os alunos, ainda por desconhecimento, ainda não façam a opção por essa modalidade. Mas, a expectativa é que esse número reduza", afirmou o secretário.

Brandão disse ainda que as vagas foram abertas automaticamente para quem já estudava nessas escolas, porém, os alunos de outras instituições que tiverem interesse no ensino integral, podem se matricular. "Temos um misto, são novos alunos do 1º ano que vêm de outras escolas, alunos que já estavam na própria escola e novos alunos que podem vir de qualquer instituição", concluiu.

Como funciona a inserção do ensino integral
Cada escola indicada pela SEE para participar do programa deve atender no mínimo 350 matrículas integrais de ensino médio após um ano, no caso de migração de todas as séries, ou 120 alunos de ensino médio no caso de migração somente do primeiro ano do ensino médio.

A carga horária estabelecida na proposta curricular feita pelas secretarias estaduais devem ser de no mínimo 2.250 minutos semanais, com um mínimo de 300 minutos semanais de língua portuguesa; 300 minutos semanais de matemática e 500 minutos semanais dedicados para atividades da parte flexível.

A prioridade, segundo a publicação no Diário da União, é para as escolas localizadas em regiões de vulnerabilidade social. O programa dever ser implementado até o fim do primeiro semestre de 2017. Para aderir, o Estado precisa apresentar um projeto pedagógico que é avaliado pelo Ministério da Educação (MEC). De acordo com a portaria, o cronograma será estabelecido pela Secretaria de Educação Básica do MEC.

Caso sejam selecionadas, as SEE's são submetidas a avaliações de processo e de desempenho. Para se manter no programa, as escolas devem apresentar redução da média de abandono escolar e reprovação cumulativa, conforme dados do Censo Escolar.

O MEC, de acordo com a portatia, também deve utilizar como avaliação a taxa de participação mínima de 75% no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O desempenho no exame deve estar 15 pontos acima da média geral do estado.

Iryá Rodrigues Do G1 AC