quinta-feira, 27 de abril de 2017

Tarauacá: A volta das porongas

Os quatro primeiros meses da prefeita Marilete Vitorino ( PSD) não está sendo fácil. Pegou uma cidade precária e até agora assiste de forma impotente a destruição do que ainda restava quando assumiu. 

As ruas estão intrafegáveis, além da escuridão estarrecedora. Tudo parece ir contra o lema da nova gestão: Avança Tarauacá. 

Nesta quarta-feira, 26, moradores voltaram a protestar pela falta de iluminação pública nas principais vias do município. Antes os moradores já haviam protagonizados críticas bem humoradas. Por exemplo, iluminaram a praça Valério Caldas com velas. 

Desta vez os contribuintes usaram a poronga. Instrumento que era utilizado pelos seringueiros para iluminar seus lares e quando iam retirar o látex das seringueiras. A poronga é produzido artesanalmente com alumínio e pano. Para ascender a luz da poronga é utilizado diesel. 

A cena da poronga foi protagonizada na rua Justiano de Serpa. Os moradores amarraram as porongas nos postes. Nas redes sociais a imagem viralizou rapidamente. 

Quando a prefeita tomou posse, a iluminação das ruas de Tarauacá já estava em péssimas condições, mas o contribuinte não pode deixar de reclamar. Afinal, ela foi eleita para resolver os problemas do município. Se quisesse permanecer como estava teriam reelegido o governante anterior. 

Cabe ressaltar também que falta de dinheiro não é, pois todos os meses são cobrados a taxa de iluminação no talão dos usuários. Este recurso que o cidadão paga deve ser destinado para este fim, iluminação pública. Contundo, os gestores esquecem disso. 

Por Leandro Matthaus
Foto: divulgação