terça-feira, 13 de junho de 2017

Acusado de matar menina de 15 anos com tiro no rosto vai a júri popular em Rio Branco

Julgamento ocorre nesta terça-feira (13) na 1ª Vara do Tribunal do Júri, na Cidade da Justiça. Cinco testemunhas de acusação foram ouvidas.

Por Tácita Muniz, G1 AC, Rio Branco
Começou nesta terça-feira (13) o julgamento de Everaldo Juvenal de Souza, acusado de matar Tácia Neri Barros, de 15 anos, em 9 de julho de 2016 com um tiro no rosto dentro de uma casa na Vila Acre, no Segundo Distrito de Rio Branco. O júri popular está sendo realizado na 1ª Vara do Tribunal do Júri, na Cidade da Justiça.

Na época, o crime foi denunciado pela dona da casa onde o homicídio aconteceu. Ela disse que o tiro teria sido disparado por um homem que entrou na residência para pegar uma camisa que havia esquecido no dia anterior. Ao chegar no quarto, encontrou a jovem e disparou um tiro contra ela. A dona da casa falou ainda que ouviu um disparo e se deparou com o suspeito saindo do quarto e dizendo que havia feito “coisa errada”. Ele fugiu do local do crime em uma moto.

Durante a audiência, foram ouvidas cinco testemunhas de acusação. Souza está sendo julgado por homicídio qualificado, com recurso que dificultou a defesa da vítima e porte ilegal de arma de fogo, já que a arma usada no crime foi encontrada na casa do acusado, segundo informações da secretaria da Vara.

O promotor de acusação é Marcos Antônio Galina e o assistente de acusação Denys Ferreira de Oliveira. De acordo com a Vara, a família da adolescente está acompanhando o júri. A audiência é presidida pelo juiz de direito Leandro Leri Gross e deve se estender até a tarde desta terça.

O acusado foi interrogado durante audiência e alegou que não tinha intenção de matar a menina. Porém, a promotoria não acredita nesta tese, uma vez que o tiro atingiu o olho da jovem, que estava no quarto da casa. A defensora pública Elizabeth Passos Castelo D’ Ávila Maciel faz a defesa do acusado.

Entenda o caso
A adolescente Tácia Neri Barros, de 15 anos, foi morta com um tiro no rosto, no dia 9 de julho de 2016, no bairro Vila Acre, em Rio Branco. Dias após o crime, uma amiga informou que a adolescente sofria ameaças de um ex-namorado. A amiga disse que a adolescente, que era de Plácido de Castro, havia se mudado para a capital acreana há pouco mais de uma semana antes do crime.

Conforme o registro da ocorrência, a dona da casa onde ocorreu o crime afirmou que o tiro teria sido disparado por um homem, que entrou no local para pegar uma camisa que havia esquecido no dia anterior. Ao entrar no quarto, ele teria encontrado a jovem e efetuado o disparo