quarta-feira, 14 de junho de 2017

Justiça determina internação de menor que foi coautor da morte de adolescente dentro da sala de aula

Adolescente foi baleado dentro da sala de aula em Sena Madureira (Foto: Reprodução/Whatsapp)
Juíza também disse que o ato não teve relação com facções criminosas. Menor vai cumprir pena no Centro Socioeducativo Purus, em Sena Madureira.

Por: Tácita Muniz, G1 AC, Rio Branco

O menor de 16 anos envolvido na morte de um estudante de 15 dentro da sala de aula no dia 23 de maio vai cumprir medida socioeducativa por homicídio qualificado no Centro Purus, em Sena Madureira. A medida foi uma determinação da Vara Cível da Comarca de Sena Madureira divulgada nesta terça-feira (13).


O estudante estava dentro da sala de aula, na Escola José Raimundo Hermínio de Melo, em Sena Madureira, quando dois homens armados invadiram o local e disparam contra ele, que foi atingido com um tiro na cabeça. Ele chegou a ficar internado no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb) e morreu quatro dias após o crime.

O Ministério Público do Acre (MP-AC) também denunciou, nesta terça, Dione Alves, de 24 anos, que assumiu ser autor do disparo que matou o adolescente. Alves foi denunciado pelos crimes de corrupção de menores, homicídio triplamente qualificado e por integrar organização criminosa

A Justiça informou que o menor teria assumido o crime, tanto à autoridade policial, como à representante do MP, porém, mudou a versão posteriormente, alegando que estava na casa da namorada no dia do crime - versão que não foi aceita pela juíza Andréa Brito.

A magistrada entendeu que os dois foram juntos à escola e que, portanto, o menor é coautor do crime. Alves responde mesmo crime e confirmou a versão inicial, de que o menor o acompanhou até o local para matar o adolescente.

Na época do crime, a Segurança Pública do Acre (Sesp-AC) chegou a informar que o caso teria ligação com facções rivais que agiam na cidade, fato que foi negado pela Justiça. De acordo com o processo, o homicídio foi motivado porque um dia antes a vítima teria tentado matar o menor envolvido no crime.

O ato, segundo a juíza foi“ impulsionamento pelo sentimento de vingança; (já que) apurou-se que a vítima, em data anterior, já teria desferido tiro no representado”, destaca.

Na decisão, Andréa Brito destacou que a internação do menor tornar-se necessária devido ao grave crime que cometeu. O menor pode cumprir medida de até três anos de internação. Além disso, a Justiça encaminhou ao MP-AC o caso de abandono do suspeito pela parte da mãe. Segundo a Justiça, aos seis anos de idade, o jovem perdeu o pai e a mãe o abandonou morando com dois irmão mais velhos, que também eram menores.

“Longe de buscar a vitimização do autor, tenho por importante trazer a conclusão desse processo o grau de abandono material e intelectual do autor do fato; (já que) verifica-se uma total alienação (por parte da genitora) para com a vida do filho adolescente, chegando ao absurdo de não saber nem onde ele mora ou com quem se acompanhava”, pontuou.