quinta-feira, 29 de junho de 2017

Mulher morre após parto e família faz campanha de doações para recém-nascido no Acre

Mateus Oliveira tem oito dias e precisa de leite especial para recém-nascido, já que a mãe morreu. Fralda, roupas e outros produtos de higiene são os pedidos.
Pequeno Mateus, de 8 dias, precisa de doações de leite, fraldas e produtos de higiene (Foto: Arquivo pessoal)
O pequeno Mateus Oliveira, de apenas 8 dias, perdeu a mãe logo após ter nascido no dia 20 deste mês e a família agora faz uma campanha nas redes sociais para que o recém-nascido tenha acesso a um leite especial, que substitui o materno. Maria Antônia, de 31 anos, morreu após complicações no parto e, além de Mateus, deixou mais dois filhos – de 3 e 6 anos. A campanha pretende arrecadar leite, fraldas e produtos de higiene para o bebê.

A tia que está cuidando de Mateus, Arides dos Santos, conta que a ideia da campanha se deu após contar a situação para uma amiga. Ela é dona de casa e o marido pedreiro e resolveram ajudar Flávio Filho, pais das crianças, com os cuidados com o bebê.

“Estamos precisando de leite, fraldas e alguns remédios, como vitaminas e pomadas. O berço, uma moça deixou para mim ontem [terça, 27] e o carrinho a moça ficou de deixar para mim no sábado [1]. As duas crianças estão com o pai deles, mas vou ajudar com o Mateus. Ele trabalha como ambulante, vendendo coisa na rua, não tem trabalho de carteira assinada e o bebê deve ficar comigo até tudo se ajeitar”, explica.

O pai do bebê, Flávio Filho, conta que a morte da mulher foi um choque, pois ela nunca tinha apresentado problemas durante as gestações anteriores. Depois que conseguir se organizar, ele pretende apurar melhor a morte de Maria.

“Eu vou ficar com meus filhos. Trabalho com venda ambulante e sses dias eu estou parado e minha família está me ajudando em alimento e com as crianças. O Mateus precisa de muita coisa, principalmente o leite, que a mãe morreu e ele não tem como mamar. É uma situação triste, porque ela era uma mãe de família, que cuidava e amava os filhos”, finaliza.
Por Tácita Muniz, G1, Rio Branco