sexta-feira, 28 de julho de 2017

Peruanos recrutavam brasileiros para vender drogas no interior do Acre, diz PF

A Polícia Federal do Acre (PF-AC) descobriu durante as investigações da Operação Palestina que traficantes peruanos recrutavam brasileiros para vender drogas na cidade de Santa Rosa do Purus, interior do Acre. A operação foi deflagrada na quarta-feira (26) e resultou na prisão de uma pessoa. Na manhã de ontem, a PF- AC explicou detalhes das investigações.

A operação desarticulou uma organização criminosa que agia em Santa Rosa do Purus, no Acre, e na Vila Palestina, no Peru. Ao todo, foram cumpridos seis mandados judiciais, sendo um de prisão e cinco de busca e apreensão na cidade acreana. Foram apreendidos ainda cerca de 8 quilos de drogas e uma pessoa foi presa em flagrante. Já na vila peruana, a polícia deve cumprir mais dois mandados de prisão.

“Essa operação de Santa Rosa é um pouco atípica porque é um tráfico internacional, mas muito parecido com o tráfico local. Os usuários pediam a droga, ela vinha do território peruano para uso no território brasileiro. Posteriormente, como aumentou muito a demanda, os traficantes peruanos recrutaram alguns brasileiros para fazer a venda da droga para eles. Semanalmente eram [brasileiros] providos da droga e ao final do período entregavam o dinheiro para eles [peruanos]”, completou o coordenador da Delegacia de Repressão a Entorpecentes da Polícia Federal do Acre (DRE), delegado Leandro Ribeiro.

Ainda segundo Ribeiro, a operação tinha como objetivo prender dois fornecedores peruanos, que enviavam a droga por banco para a cidade acreana. Porém, devido a questão operacionais a polícia peruana não conseguiu prender os dois acusados, de acordo com o delegado.
Operação contou com a participação das polícias Civil e Militar, além de homens do Exército Brasileiro – Foto: Divulgação Polícia Federal do Acre

“Infelizmente, a polícia peruana não nos prestou o suporte ideal, que seria a gente cumprir os mandados aqui e eles do lado de lá. Era o que havia sido acertado, mas devido a questões operacionais deles não cumpriram no mesmo dia. Porém, já estão com a difusão vermelha decretada e em qualquer lugar do mundo que estiverem podem ser cumpridos os mandados de prisão”, afirmou.

O delegado ressaltou também que as investigações duraram cerca de um ano. Ele disse que foram cumpridas medidas preventivas nas cidades de Sena Madureira e Rio Branco. A operação contou com a participação das polícias Civil e Militar, além de homens do Exército Brasileiro.

“Nosso objetivo era estancar essa venda de drogas em território brasileiro. Conseguimos juntar provas no decorrer das investigações em relação a esses dois fornecedores, que só ficam no território peruano e não ingressam no território brasileiro. A Justiça Federal deferiu os pedidos de mandados de prisão e eles foram colocados na lista da difusão vermelha da Interpol”, concluiu.

Portal G1/AC