sábado, 1 de julho de 2017

Tarauacaense condenada po tráfico de drogas em Cruzeiro do Sul ingressa na universidade atrávés do Enem

A educação, em todos os seus sentidos, forma e transforma vidas. Isto é, liberta as pessoas da ignorância e das práticas tidas como anormais pela sociedade, na qual a filosofia denomina como moral.

É neste céu esclarecedor chamado Educação que a tarauacaense Valderlandia dos Santos, 32, vem buscando alçar novos voos na vida.

Condenada a mais de oito anos de cadeia no regime fechado pelo tráfico de entorpecente, Valderlandia viu uma luz emergir do fundo do poço após lograr êxito no ENEM de 2015. Ela conseguiu uma vaga no curso de Letras Português na Universidade Federal do Acre em 2016, em Cruzeiro do Sul, aonde ela cumpre a pena.

Com a conquista da vaga na Universidade, ela obteve também o direito de ficar livre do cárcere por mais de quatro horas diárias seguidas de segunda a sábado. Um alento para quem tinha apenas o direito a dois banhos de sol durante a semana, lógico nas dependências do presídio Manoel Neri.

Val como é carinhosamente chamada na turma, é mãe de três filhos. Ela vê no curso de letras a oportunidade de se redimir pelo seu erro, e também conquistar um trabalho como professora, desta forma dar uma vida melhor aos herdeiros.

Aluna aplicada e de fácil comunicação, ainda nos primeiros dias de aula conquistou o carinho da turma. Já está no terceiro período do curso, tendo sido aprovada em todas às disciplinas dos períodos anteriores.

Honoré de Balzac diz que a mulher quando atinge os trintas anos se transforma. É mais romântica, atenciosa, ou seja, já sabe o que quer da vida.
A analogia da história da Valderlandia no tocante a maturidade dos 30 anos com o poder fenomenal de transformação que a Educação tem, coaduna com o que ela disse a reportagem: “Quero concluir minha faculdade, poder voltar para o convívio de minha família, além disso, quero exercer a profissão de professora. É uma oportunidade de me redimir e dar uma vida melhor aos meus filhos“.

No mês de agosto deste ano, Valderlandia vai pedir a progressão de pena do regime fechado para o regime semiaberto.

Val diz que se sente arrependida dos seus atos, porém, através dessa oportunidade que vida está lhe dando buscará fazer tudo diferente.

Por Leandro Matthaus
Blogueiro e colega de aula da Velderlandia