terça-feira, 29 de agosto de 2017

A partir de 2018 a Escola Djalma Batista funcionará em tempo integral

Quando esteve em Tarauacá no último sábado (27), o Governador Tião Viana, acompanhado da Vice Governadora Nazaré Araújo, Secretário de Educação Marcos Brandão, anunciou que a partir de 2018 a Djalma Batista será a primeira escola de tempo integral do município. O anuncio foi feito numa solenidade realizada na escola João Ribeiro, onde na oportunidade entregou um veículo para policiamento escolar. “Estamos fazendo aqui um trabalho para um futuro de paz. Integrando educação e segurança, fazendo prevenção para nossos jovens e dando uma oportunidade de planejamento de vida com a escola integral”, afirmou o governador. Tião Viana lembrou também que “serão mil alunos construindo seu planejamento de vida com a educação integral“.

Com a modificação, os estudantes devem permanecer na instituição entre às 7h30 e às 17h, com refeições disponibilizadas no local. Os estudantes vão ter outras abordagens com as 13 disciplinas curriculares tradicionais, tendo disponíveis laboratórios e novas metodologias.
Para o Diretor Professor José Ivonaldo será uma experiencia nova na vida dos educadores e estudantes do município. “Estamos nos preparando para esse novo e desafiador momento por que passará nossa escola. Se depender de nosso profissionais tudo dará certo“, disse.

Como funciona a inserção do ensino integral
Cada escola indicada pela SEE para participar do programa deve atender no mínimo 350 matrículas integrais de ensino médio após um ano, no caso de migração de todas as séries, ou 120 alunos de ensino médio no caso de migração somente do primeiro ano do ensino médio.

A carga horária estabelecida na proposta curricular feita pelas secretarias estaduais devem ser de no mínimo 2.250 minutos semanais, com um mínimo de 300 minutos semanais de Língua Portuguesa; 300 minutos semanais de Matemática e 500 minutos semanais dedicados para atividades da parte flexível.

A prioridade, é para as escolas localizadas em regiões de vulnerabilidade social. O programa dever ser implementado até o fim do primeiro semestre de 2017. Para aderir, o Estado precisa apresentar um projeto pedagógico que é avaliado pelo Ministério da Educação (MEC). De acordo com a portaria, o cronograma será estabelecido pela Secretaria de Educação Básica do MEC.

Para se manter no programa, as escolas devem apresentar redução da média de abandono escolar e reprovação cumulativa, conforme dados do Censo Escolar.

O MEC, de acordo com a portatia, também deve utilizar como avaliação a taxa de participação mínima de 75% no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O desempenho no exame deve estar 15 pontos acima da média geral do estado.

Reforma do ensino médio
O programa de fomento ao ensino médio integral foi anunciado pelo governo federal no dia 22 de setembro de 2016, junto com a medida provisória de reforma do ensino médio.

Um dos pontos da nova medida, que altera a Lei de Diretrizes e Bases (LDB), determina que a carga horária mínima anual do ensino médio, atualmente de 800 horas, “deverá ser progressivamente ampliada, no ensino médio, para 1.400 horas”, ou seja, em tempo integral.

A regra, porém, está vinculada à meta 6 do Plano Nacional de Educação (PNE), que prevê que, até 2024, 50% das escolas e 25% das matrículas na educação básica (incluindo os ensinos infantil, fundamental e médio) estejam no ensino de tempo integral. (Blog da Escola Djalma Batista).
Portal-Tarauacá